TAG: Amo/Odeio

Olá queridos! Fui indicada pela Bianca do blog Digavando para responder a TAG bem legal para que vocês possam me conhecer melhor. É super rápido consistindo de uma lista de 10 coisas que amo e odeio. Vejam as respostas abaixo =]

Ah e não deixam de visitar o blog da Bianca, Digavando. Eu adoro!

tag

As regras:

Dizer 10 coisas que ama e 10 coisas que odeia;
Indicar 10 blogs para responder a Tag;
Colocar o selo da Tag;
Link quem te indicou.

10 COISAS QUE EU AMO!

1) Minha família
2) Meu namorado
3) A lua
4) Dia de sol com uma brisa leve
5) Livros
6) Ligação/mensagem de amigos queridos
7) Deitar na grama
9) Chocolate
10) Música
10 COISAS QUE EU ODEIO!

1) Mentiras
2) Ser ignorada
3) Me sentir inútil
4) Preconceito
5) Ser mal atendida
6) Ficar na dúvida
7) Exclusão social
8) Andar na rua com medo
9) Palavrão
10) Ignorância

Blogs Indicados!

1) brunofelixarts
2) casuísmo
3) contadordestorias
4) icebookcream
5) ranchodascronicas1
6) sopropalavras
7) mtlannes
8) joyceaquiino
9) princesanareal
10) pitacoseachados

Bom, é isso! Será que temos coisas em comum?

(Ah, quem quiser responder e não estiver na lista, fica à vontade).

xoxox

Moara

Anúncios

Resenha: Cidades de Papel de John Green

Cidades de Papel

Título: Cidades de Papel
Autor(a): John Green
Editora: Intrínseca
Ano: 2013 (1ª edição)
Título original: Paper Towns
Páginas: 368 p.
ISBN: 978-85-8057-374-9

Olá pessoal!

Hoje tem resenha no blog e o livro é “Cidades de Papel” do autor best-seller, John Green. Confesso que apesar de todo o sucesso que os livros de Green tem ganhado, este foi o primeiro que li do autor. Tenho ouvido (e lido) vários comentários e debates sobre o livro: por um lado, muitos leitores adoraram o livro e afirmam ser um dos seus favoritos do autor; por outro, alguns ficaram decepcionados ou leram o livro, mas não conseguiram se envolver com o desenvolvimento do enredo/personagens.

Talvez um bom livro seja assim, provoca debates e discussões mesmo não agradando a todos, nos fazendo relembrar que uma história nunca é a mesma para todo mundo – e o livro de Green é um bom livro! Não posso dizer que adorei, porém gostei de ter lido, principalmente por ele nos provocar reflexões e não apenas nos contar uma história. Continue lendo “Resenha: Cidades de Papel de John Green”

Google Maps dos Livros

mapa_de_livros-450x209

Oi gente!
Achei uma coisa muito interessante hoje e resolvi compartilhar com todos os amantes de livros!
A Lovereading, uma organização britânica, utilizou o google maps para mapear o local onde se passam as histórias de vários livros. Inclusive, o “Google Maps Book Mash-up” (nome dado ao mapa em inglês) é um espaço interativo onde qualquer um pode registrar a localização do enredo de seus livros favoritos. Além disso, ao clicar em um ícone já marcado no mapa, você abre uma pequena descrição da obra com uma ilustração da capa. Legal né?!
Que tal dar uma passada por lá e viajar no mapa dos livros.
Acesso o link: Google Mapa dos Livros

Pensamento do dia: A espera

Olá pessoal!

Hoje quero compartilhar com vocês um texto bem legal que li hoje de manhã que fala sobre a relação entre duas coisas inerentes a nossa vida: a espera e a esperança. Acho que vocês vão gostar, assim como eu. O título é: “Breve ensaio sobre a espera” e o autor, Maurício Gomyde.

Toni Verdú Carbó
Crédito: Toni Verdú Carbó

Breve ensaio sobre a espera

Passamos a vida esperando. Esperamos para nascer, então crescemos e vivemos tudo ali, só na espera, que é 2/3 de um dos sentimentos mais nobres de que se tem notícia: Esperança. E como essa última é a que morre por último, até a morte há tempo de esperar.

Continue lendo “Pensamento do dia: A espera”

Pensamento do dia: A Lógica de Einstein

Quem disse que é impossível? Temos muito mais força e capacidade para alcançar nossas metas do que, muitas vezes, o mundo nos limite a pensar.

A Lógica de Einstein!
Conta certa lenda, que estavam duas crianças patinando num lago congelado.
Era uma tarde nublada e fria, e as crianças brincavam despreocupadas.
De repente, o gelo quebrou e uma delas caiu, ficando presa na fenda que se formou.

Continue lendo “Pensamento do dia: A Lógica de Einstein”

Citações do livro A Culpa é das Estrelas

1c7728_7cfc9c9c5c884590859939f04f09f291

“Se você não vive uma vida a serviço de um bem maior, precisa pelo menos morrer uma morte a serviço de um bem maior, sabe?” (p.154).

“Não dá para escolher se você vai ou não vai se ferir neste mundo, meu velho, mas é possível escolher quem vai feri-lo. Eu aceito as minhas escolhas” (p.283).

“Esse é o problema da dor – o Augustus disse, e aí olhou para mim. – Ela precisa ser sentida” (p.63).
“Me apaixonei do mesmo jeito que alguém cai no sono: gradativamente e de repente, de uma hora para outra” (p.118). Continue lendo “Citações do livro A Culpa é das Estrelas”

Resenha: O Busto de Adão e Outras Poesias

IMG-20150603-WA0003

Resenha: O Busto de Adão e outras Poesias

Título: O Busto de Adão e outras poesias
Autor: Bruno Félix
Editora: Chiado Editora
Ano: 2015
ISBN: 978-989-51-2810-5

Sente-se e deixe-me lhe contar sobre um livro que acabo de ler. É talvez de gênero que você não costume ler, por ser um livro de poesias. Afinal, a prática da leitura de livros poéticos é ainda pouco disseminada no Brasil. Com autores como Bruno Félix, não obstante, felizmente o gênero certamente ganhar novos adeptos.

O livro “O Busto de Adão e outras poesias” é do poeta supracitado, Bruno Félix (autor parceiro do blog). A obra divide-se em quatro partes, embora distintas, harmoniosamente organizadas. A primeira parte é uma coletânea de poesias soltas, abordando as mais diversas temáticas. Nela, podemos navegar de um texto saudoso, para uma lembrança amorosa, uma crítica perspicaz e até uma reflexão filosófica sobre o homem, a vida e o tempo – apenas para citar alguns exemplos. Continue lendo “Resenha: O Busto de Adão e Outras Poesias”

Não posso dizer que continuo a mesma (mas também não sou outra pessoa)

Não posso dizer que continuo a mesma de antes. Antes de conhecer a obscuridade do mundo; antes de vivenciar todos os lados do ser humano. Antes de saber que boa parte, se não quase toda parte, do que parecer ser não é. Não posso dizer que não mudei após descobrir que uma das poucas certezas desse mundo é a incerteza; que uma pessoa pode passar anos ao seu lado, ou conviver com você todo dia da semana e não saber quem você é de verdade, embora você saiba quem ela seja; que amizades se desfazem por coisas insignificantes mesmo você achando que seria para sempre. A gente descobre, com o tempo, que nada nessa vida terrena é para sempre.

Não posso dizer que não fui remodelada pelos sonhos não alcançados; pelas palavras de pedra pronunciadas pelas bocas menos esperadas; pela traição de um mundo ambicioso; por todas as vezes que fui mal interpretada; por minhas falhas envergonhadas; pelos amores mal amados; pelos dias sem cor e as noites de rosto salgado. Já perdi noites de sono remoendo a imagem de uma criança inconsequente crescida em adulto vivido que já não acredita mais em tudo e em todos; que já não espera muito e talvez não mais sonha com a mesma intensidade que uma sonhadora nata deveria sonhar.

Sim eu reconheço que não sou mais a mesma, mas também sei que não sou uma outra pessoa. Estou diferente, mas continuo sendo eu. Há dentro de mim, em um lugar seguro, uma parte viva, embora, talvez, adormecida, daquela alma jovem, segura de si, que ainda vai encontrar o seu lugar nesse mundo. A parte que está resguardada depois de todas as decepções e frustrações esperando conhecer a realidade para depois se fortalecer e reassumir seu posto na liderança dessa caminhada da vida.

Preciso acreditar que eu e ela – essa parte convicta do certo em mim, convicta da bondade do homem, das oportunidades do mundo e da beleza da vida – continuamos juntas; que o mundo não foi capaz de dominá-la nos padrões da descrença cega de achar que uma pessoa não consegue fazer a diferença e que o homem, sempre egoísta, nunca muda. Preciso acreditar e sei que acredito.

Acredito porque sinto aquela chama dentro de mim almejando fazer o bem, almejando ser útil na esperança e na força do amor que tudo alcança. Sinto a alma desejando sonhar, desejando ser permitida sonhar novamente com a certeza que o sonho certo se realiza. Se não se alcança um sonho é porque é necessário sonhar mais alto e não o contrário.

Portanto, aqui segue uma mensagem para aquela parte de mim desejando ser revivida e para todos que, de alguma forma, com essas palavras se identifica: sonhe e sonhe mais! Acredite, o mundo tem seu lado escuro, mas também tem suas horas de luz. E mesmo na escuridão as estrelas brilham do alto e a lua ilumina o céu para nos lembrar que nós também podemos brilhar em qualquer momento da vida. Basta se permitir a continuar acreditando.

xoxox – Moara F. Lacerda

Blog no WordPress.com.

Acima ↑