Resenha: Para onde ela foi

Para onde ela foiTítulo: Para onde ela foi
Autor(a): Gayle Forman
Editora: Novo Conceito
Ano: 2014 (3ª reimpressão)
Título original: Where she went
Páginas: 239 (sendo que a partir da página 221 temos o primeiro capítulo de outro livro da autora, “Apenas um dia”)
ISBN: 978-85-8163-567-5

Ei gente! Hoje vou compartilhar com vocês a impressão do livro que terminei de ler na semana passada: “Para onde ela foi” de Gayle Forman. Para quem já leu, depois me diga também o que achou. =]
O livro “Para onde ela foi” conta a história continuada do livro “Se eu ficar” da autora Gayle Forman. Até então, não tinha lido nenhuma obra de Forman, mas devido a toda repercussão do best-seller “Se eu ficar” e após ter assistido ao filme desse primeiro livro, fiquei interessada na sequência da história.
(Por ser sobre uma obra que é sequência do livro “Se eu ficar” essa resenha conterá alguns spoilers desse primeiro livro).
“Para onde ela foi” continua a história de Mia e Adam do primeiro livro, porém, dessa vez, contada por meio da voz de Adam. Em “Se eu ficar” Mia se depara com a decisão mais difícil de sua vida. Ela sofrera um acidente de carro com seus pais e seu irmão mais novo no qual apenas ela sobreviveu. Agora em coma, Mia precisa decidir se continua vivendo ou não. Prestes a decidir o caminho dos pais e do irmão, Mia escuta o pedido de Adam, seu namorado, para que ela fique, e será com base nesse pedido e no amor dos dois que ela decide ficar.
“Para onde ela foi” continua a história de Mia e Adam 3 anos após Mia acordar do coma, porém, ao contrário do esperado, Mia e Adam não estão mais juntos. O livro, portanto, se desenrola a partir desse ponto de apoio, por meio da narração de Adam. Sabemos que foi Mia quem terminou o namoro e de uma forma muito cruel, mas não sabemos o porquê. Também sabemos que Adam nunca foi atrás da Mia para ter uma explicação. Ao contrário, ele vive remoendo a dor, a saudade, a revolta e a raiva por Mia ter ido embora e nós acompanhamos essa jornada por meio de uma narrativa que intercala momentos da vida presente de Adam e dos 3 anos que antecederam o momento atual, por meio de capítulos destinados a flashbacks desse personagem (seja relatando os dias juntos com Mia e sua família, seja logo após o término do namoro, etc.).
Uma assombração dorme ao meu lado na cama
Cochicha no meu ouvido: A morte te ama
Toma meus sonhos com ódio e sirenes passando
Me beija com ternura quando acordo gritando
“Boo”!
Collateral damage, faixa 3
(p.133)
Nos dias atuais, Adam agora é um famoso astro do Rock e Mia um prodígio mundialmente conhecida na comunidade da música clássica. Vivendo vidas separadas, um belo dia em Nova Iorque, Adam decide assistir a uma apresentação da Mia e ambos se veem deparados com a oportunidade para buscar explicações, perdão e um reencontro.
Mia me vê soltar toda essa angústia no Promenade. Ela é testemunha de todas essas feridas que se abrem, dessa grande explosão do que, para ela, pode parecer dor.
    Mas não estou chorando de dor; estou chorando de gratidão (p.183).
Eu terminei de ler esse livro semana passada, porém demorei um pouco para escrever a resenha porque fiquei alguns dias pensando exatamente como sentia em relação à obra. Creio que fiquei decepcionada, mas é um pouco mais complexo que isso, já que tenho impressões contraditórias com relação ao livro como um todo. Tentarei explicar. Enquanto texto literário, achei a narrativa e as técnicas narrativas fracas e confusas (especialmente para uma autora que é também jornalista). Pode ser que outras pessoas não tenham tido problema com relação às técnicas de emprego de diálogo da autora, porém muitas vezes me vi tendo que reler alguns parágrafos para compreender quando o personagem principal estava apenas pensando e refletindo na própria mente e quando a fala era realmente parte de um diálogo com outro personagem. Acaba que isso provoca interrupções constantes no processo de inserção do leitor no desenvolvimento emocional do personagem.
Falando em interrupções, outra coisa que me incomodou foi a constante quebra na ascensão do clímax na trama por trás da história de Adam e Mia. As melhores partes da história, onde se via interatividade entre personagens e se escapava um pouco da unidimensionalidade da narração do Adam eram as que se referiam aos diálogos de Mia e Adam. Contudo, até pouco mais da metade da obra, esses encontros eram interrompidos pelos flashbacks do Adam para momentos anteriores ao reencontro. Compreendo que isso era necessário para absorver todo o sentimento reprimido no coração do Adam e toda a contextualização que levou ao termino do namoro de Adam e Mia, mas, talvez, se isso ocorresse com menos frequência, ou entre intervalos maiores (com capítulos maiores), poderia se atingir um nível superior de profundidade no encontro entre os dois.
Apesar disso tudo, sempre me via querendo saber o que iria acontecer depois e por isso continuava lendo. Fico feliz que tenha insistido, pois é a partir da segunda metade do livro (quase entrando para ¾ da história) que consegui me apaixonar novamente pelo casal e torcer para que eles conseguissem superar tudo que passaram e voltar a ficar junto. Há realmente um turbilhão de sentimentos diversos que compõem a história dos dois, por vezes contraditórios, mas justamente por isso realísticos e cativantes. No final da obra, que não é por completo previsível, terminei desejando que a autora tivesse dado continuidade – não estava preparada para deixar apenas minha imaginação construir o restante da história dos dois.
Enfim, sentimentos diversos, mas que ao final da leitura terminou bem. Não sei se leria outro livro, sobre outros personagens da Forman, mas fico feliz por ter conhecido a história de Mia e Adam. Pelo que li sobre a autora, não há planos de escrever um terceiro livro sobre esse casal. Se tivesse, não obstante, me arriscaria a me deparar com esses sentimentos diversos novamente, apenas para rever o casal.
xoxox
Moara F. lacerda
Anúncios

Resenha: Cidades de Papel de John Green

Cidades de Papel

Título: Cidades de Papel
Autor(a): John Green
Editora: Intrínseca
Ano: 2013 (1ª edição)
Título original: Paper Towns
Páginas: 368 p.
ISBN: 978-85-8057-374-9

Olá pessoal!

Hoje tem resenha no blog e o livro é “Cidades de Papel” do autor best-seller, John Green. Confesso que apesar de todo o sucesso que os livros de Green tem ganhado, este foi o primeiro que li do autor. Tenho ouvido (e lido) vários comentários e debates sobre o livro: por um lado, muitos leitores adoraram o livro e afirmam ser um dos seus favoritos do autor; por outro, alguns ficaram decepcionados ou leram o livro, mas não conseguiram se envolver com o desenvolvimento do enredo/personagens.

Talvez um bom livro seja assim, provoca debates e discussões mesmo não agradando a todos, nos fazendo relembrar que uma história nunca é a mesma para todo mundo – e o livro de Green é um bom livro! Não posso dizer que adorei, porém gostei de ter lido, principalmente por ele nos provocar reflexões e não apenas nos contar uma história. Continue lendo “Resenha: Cidades de Papel de John Green”

Resenha: O Busto de Adão e Outras Poesias

IMG-20150603-WA0003

Resenha: O Busto de Adão e outras Poesias

Título: O Busto de Adão e outras poesias
Autor: Bruno Félix
Editora: Chiado Editora
Ano: 2015
ISBN: 978-989-51-2810-5

Sente-se e deixe-me lhe contar sobre um livro que acabo de ler. É talvez de gênero que você não costume ler, por ser um livro de poesias. Afinal, a prática da leitura de livros poéticos é ainda pouco disseminada no Brasil. Com autores como Bruno Félix, não obstante, felizmente o gênero certamente ganhar novos adeptos.

O livro “O Busto de Adão e outras poesias” é do poeta supracitado, Bruno Félix (autor parceiro do blog). A obra divide-se em quatro partes, embora distintas, harmoniosamente organizadas. A primeira parte é uma coletânea de poesias soltas, abordando as mais diversas temáticas. Nela, podemos navegar de um texto saudoso, para uma lembrança amorosa, uma crítica perspicaz e até uma reflexão filosófica sobre o homem, a vida e o tempo – apenas para citar alguns exemplos. Continue lendo “Resenha: O Busto de Adão e Outras Poesias”

Resenha do Livro: Um mais Um

untitled

Título: Um mais um
Autor(a): Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Edição e ano: 1.ed. 2015
Tradução de: Adalgisa Campos da Silva
Título original: The one plus one
Ano de lançamento: 2014
Páginas: 320
ISBN: 978-85-8057-654-2

A vida não anda fácil para Jess Thomas. Mãe solteira que foi abandonada pelo marido, Marty, há dois anos, Jess precisa fazer malabarismos para cuidar dos dois filhos – Tanzie, a filha de 10 anos, prodígio da matemática, e Nicky, enteado de quem ela tem a custódia, adolescente de 16 anos, gótico, tímido e que está sofrendo bullying na escola e no bairro onde mora. Se já não bastasse as dificuldades de ser mãe solteira com dois empregos, um de faxineira e outra como garçonete de um bar noturno, Jess, sempre otimista e com ânimo para viver, está à beira do colapso emocional ao perceber que sua situação financeira, que nunca foi boa, está cada vez pior. Agora, com sua filha prestes a ganhar uma bolsa para estudar em uma das melhores escolas particulares da cidade (porém que não cobra todos os gastos necessários para a matrícula e as mensalidades) Jess ver suas esperanças desabaram ao perceber que não poderá arcar com as despesas dessa nova escola e realizar o sonho de sua filha.

Continue lendo “Resenha do Livro: Um mais Um”

Bom dia!

Hoje de manhã, lembrei de algumas frases para nos acompanhar durante o dia. Elas podem ser encontradas em um livro bem leve e divertido para ler.

Livro Frases para guardar

O livro chama-se “Frases para Guardar” de Marcel Souto Maior e é uma composição de frases soltas escritas de forma artística pelas páginas e que abordam diversas temáticas (algumas sérias outras reflexivas e outras ainda engraçadas). Os autores das frases vão desde filósofos, escritores e poetas até empresários, políticos e artistas.

Ficha técnica do livro:
Título: Frases para Guardar
Autor: Marcel Souto Maior
Ano: 2012
ISBN: 978-85-7734-269-3

Vejam algumas frases:

“Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa qualquer entendimento” (Clarice Lispector)

“Seja você mesmo. Todas as outras personalidades já têm dono” (Oscar Wilde)

“O que somos é o que fizemos do que fizeram de nós” (Sartre)

“Por que repetir velhos erros se há tantos erros novos para cometer?” (Bertrand Russell)

“Faça o que puder, com o que tiver, onde estiver” (Theodore Roosevelt)

“Se você ficar esperando, tudo o que acontece é você ficar velho” (Larry McMurtry)

“Tenho uma história repleta de falhas e fracassos. E é por isso que sou um sucesso” (Michael Jordan)

“Você não pode mudar o vento, mas pode ajustar as velas” (Confúcio)

“É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do que falar e acabar com a dúvida” (Abraham Lincoln)

“O que sabemos é uma gota. O que não sabemos é um oceano” (Isaac Newton)

“Pedras no caminho? Guardo todas. Um dia vou construir um castelo” (Fernando Pessoa)

“Quem recebe um favor deve lembrar-se dele. Quem faz um favor deve esquecê-lo” (Cícero)

“Meu pai sempre dizia: Não levante a voz. Melhore os argumentos” (Desmond Tutu)

“Ser o homem mais rico do cemitério não me interessa. Ir para a cama à noite com a certeza de ter feito algo maravilhoso, isso me importa” (Steve Jobs)

“Temam menos a morte e mais a vida insuficiente” (Bertolt Brecht)

Por enquanto é isso. Desejo a todos um ótimo dia!

xoxox – Moara

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑